Doação

Notícias

ADESGPE - O que aprendi quero ensinar- MERALDO ZISMAN

Unidade Coelhos07/03/2012

 

Seria interessante apresentar-me rapidamente para facilitar o entendimento do que pretendo escrever e dizer sobre o sentimento cívico de brasilidade.
 
Sou um professor de Medicina aposentado de Clinica Pediátrica Médica. Passei minha vida acadêmica cercado de jovens alunos e alunas, procurando repassar ensinamentos dos meus mestres brasileiros e não brasileiros e, sobretudo, o que posso de meu aprendizado sofrido e vivido até a minha hoje  provecta existência, e agora como Psicoterapeuta.
 
Nas atividades acadêmicas e de pesquisas a minha tecla constante foi a fome ancestral que assola a população Nordestina. Dentre as mazelas da Pobreza a fome é uma das maiores violências que um ser humano pode causar ao outro. Assim aprendendo, passei a apertar o outro botão — o da Violência. O som foi o mesmo. Fome e violência poderiam situar-se na mesma chave musical. Nasceram acordes univitelinos. Como veterano clinico de crianças passei, vi, sofri, ajudei, fui incompreendido, atacado, desconsiderado e relativamente reconhecido algumas vezes, fora do Brasil.
 
Mais eu sei que “nada molda” mais a criança do que a maneira como ela é educada (alimentar não significa apenas dar/ter comida no prato!). Pensava que a acomodação da pessoa começava no período de recém-nascido e depois, muito depois, aprendi com os chineses e com os meus profetas judeus, que a pessoa nasce muito antes do nascimento.
 
Continuo acreditando - e nada até agora me fez mudar – que a família, nas suas diversas metamorfoses, é o esteio da educação de um povo. O seu maior complemento é a escola.
 
Prossigo, para não me alongar, conclamando os Doutor Eudes Souza Leão Pinto e o Professor Antonio Rafael de Menezes (Presidente da Academia Pernambucana de Educação e Cultura), a continuar, como tantos  outros alunos da mesma Escola Superior de Guerra,  a postos com nosso ardor juvenil.
 
E como ex-alunos do curso de Altos Estudos Políticos e Estratégicos aprendemos como é importante a colaboração dos que “por sorte como nós” tivemos mais oportunidade educacional. E como é importante que nos congreguemos em busca do maior conhecimento da Nação Brasileira. Não é soldado apenas aquele que esta no frente de combate e defende ambos os lados, esquerdo e direito, mas também aqueles que defendem as portas e permanecem em lugar menos perig oso, apesar de ser de menor perigo, assim como não é em vão servir como vigia e guardar o armamento. Tais ocupações, embora não sejam sangrentas, também fazem parte dos serviços militares (Sêneca 4 a.C – 65 d.C.).
 
O que aprendemos, deixem-nos ensinar. Muito bem Professor Antonio Rafael de Menezes, farmacêutico vindo da cidade de Alagôa do Monteiro, PB. Ás ordens.
Conheça também as Notícias das unidades: Recife AntigoPiedade